quarta-feira, 19 de abril de 2017

América-MG: pré-jogo Cruzeiro x América

Pré-jogo: Cruzeiro x América.

ausente: Ernandes
dúvidas: Felipe Amorim e preparo físico do Ruy.

O favoritismo continua do adversário. Tem mais jogadores qualificados, experientes mais opções de titularidade e peças de reposição do mesmo nível dos titulares.

Enderson Moreira terá duas dificuldades iniciais:
- Encontrar o substituto do Ernandes na lateral-esquerda.
- Manter ou trocar Felipe Amorim, caso seja liberado pelo DM, e Hugo.

No primeiro jogo da semifinal, os defeitos defensivos dos laterais foram minimizados com Auro e Ernandes, mas a baixa produtividade ofensiva dos laterais e jogadores de frente continuou. Alex Silva foi dos que falharam coletivamente na marcação dos adversários no gol sofrido. Sem Ernandes, as opções devem ser o próprio Alex pelo lado esquerdo, Pará e até o recuo do Magrão, que nessa posição não jogou bem contra o Democrata-GV.

Talvez a melhor escolha seja o Alex pelo lado esquerdo.
Se Renato Justi fosse mais ágil também poderia ser opção.
Se Roger tivesse jogado mais vezes também poderia ser opção.

Embora a força ofensiva tenha aumentado no primeiro jogo contra o Cruzeiro, com quatro oportunidades para fazer gols (Renan Oliveira, Blanco, Blanco e Mike) Felipe Amorim e Hugo foram os pontos negativos. A escalação de um deles ou dos dois precisa ser reavaliada, mas é complicado fazer escolhas para um jogo de semifinal.

Juninho, Blanco, Renan Oliveira e Magrão são nomes praticamente confirmados.

Christian, que não deveria ter perdido a titularidade, pode ser uma das alternativas. Além de participar da marcação, também faz assistências e finalizações.

Questão antes do jogo:

Só a vitória interessa ao América. Entre Christian e Mike, um volante e um atacante, quem o Enderson Moreira deveria escalar?

Matheusinho, Mike, Pilar, Rubens e Ruy são outras opções.

Quase repetição do time:

João Ricardo;
Auro, Messias, Rafael Lima, Alex Silva
Juninho, Blanco;
Felipe Amorim, Renan Oliveira, Magrão;
Hugo

Optaria pela mudança:
Juninho,
Christian, Blanco, Renan Oliveira, Magrão;
Hugo
variando para
Juninho, Blanco, Christian;
Renan Oliveira, Hugo e Magrão
ou
Juninho,
Christian, Blanco, Ruy, Magrão;
Renan Oliveira

A opção pelo Hugo é porque tem mais experiência que Rubens e Pilar. A responsabilidade de decidir é do mais experiente. Se fosse um jogo da primeira fase, escolheria Rubens, depois Pilar.
Apesar de Renan Oliveira ter condições se ser o chamado falso 9.

Ainda:
Juninho, Blanco, Christian;
Matheusinho, Renan Oliveira, Magrão.

O mesmo em relação ao Matheusinho. Num jogo da primeira fase, optaria por ele. Numa decisão, para quem está com mais ritmo de jogo. Vale também para Zé Ricardo, Renato Bruno, Roger e outros pratas da casa, que atuaram poucas vezes,

Enfim, manter a consistência defensiva, aumentar o dinamismo, velocidade e competitividade do meio-campo para frente. Sem 11 titulares altamente qualificados, o esforço coletivo e solidário do time americano superar a qualidade técnica do adversário.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

América-MG: Empate com o Cruzeiro.

Um time sem 11 titulares altamente qualificados jogou melhor e merecia ter vencido a única equipe invicta do Brasil, considerada uma das melhores do país, com quase dois jogadores em condições de ser titulares em cada posição. Méritos do Enderson Moreira. Deveria ser escolhido o melhor em campo.

O América foi superior ao Cruzeiro, na maior parte do tempo. A defesa e o meio-campo anularam a força ofensiva do adversário e principalmente os meio-campistas criaram e desperdiçaram oportunidades. Faltou força ofensiva para dupla de atacantes Felipe Amorim e Hugo.

No primeiro tempo duas oportunidades: Uma finalização errada do Renan Oliveira, numa triangulação com Hugo e Blanco; uma finalização do Blanco, numa assistência do Renan Oliveira.

Ainda uma jogada do Renan Oliveira, que após driblar os adversários chutou em cima do goleiro.

O Cruzeiro teve uma chance, num chute de fora da área do Thiago Neves, que João Ricardo defendeu.

No segundo tempo, o time americano manteve a postura ofensiva, abriu o placar, sofreu o empate e até depois das mudanças feitas criou chances para desempatar e vencer o jogo.

Messias marcou o gol americano, aproveitando uma cobrança de escanteio do Magrão. Thiago Neves sem marcação dentro da área completou um cruzamento da linha de fundo, numa jogada do Diogo Barbosa, sem marcação do Alex Silva. Falha coletiva do setor defensivo.

Auro finalizou para fora um cruzamento do Mike. Blanco cabeceou raspando a trave em passe do Ernandes, numa jogada do Ruy e Mike. Mike cabeceou no ângulo e Rafael defendeu.

O Coelhão fez a melhor apresentação de 2017 e contra uma equipe qualificada da série A. Merecia ter vencido a partida. Mas no futebol, a sorte também faz parte do resultado.

Coletivamente, o time teve bom desempenho. Só Felipe Amorim e Hugo ficaram abaixo deste padrão coletivo.

João Ricardo: Só uma intervenção no chute de fora da área do Thiago Neves

Auro e Ernandes: No setor defensivo levaram vantagem sobre os adversários. Produziram pouco ofensivamente.

Messias e Rafael Lima: Dupla próxima da perfeição. Méritos para Messias pelo gol. Novamente demonstrou evolução.

Juninho: Parou de correr tanto sem necessidade, aumentou a produtividade no combate e eficiência nos desarmes.

Blanco: Combateu, desarmou e finalizou duas vezes com perigo.

Felipe Amorim: Pouco produtivo. Ele e Hugo foi inofensivos.

Renan Oliveira: Mais participativo no primeiro tempo. Desperdiçou uma oportunidade na cara do goleiro. Caiu de produção no segundo tempo.

Magrão: Bastante competitivo, defendeu e buscou o jogo o tempo todo.

Hugo: No primeiro tempo participou de uma triangulação com Blanco e Renan. No segundo sumiu do jogo. Parece que a bola foge dele.

Alex Silva: Envolvido no gol de empate. Depois não comprometeu.

Mike: Se a bola foge do Hugo, procura o Mike. Obrigou ao Rafael fazer uma grande defesa.

Ruy entrou aos 42 minutos. Fez um cruzamento e um passe para o Mike entrar na área.

AMÉRICA 1 X 1 CRUZEIRO

AMÉRICA
João Ricardo;
Auro, Messias, Rafael Lima e Ernandes;
Juninho, Blanco;
Felipe Amorim (Alex Siva), Renan Oliveira (Ruy), Magrão (Mike);
Hugo

Técnico: Enderson Moreira.

CRUZEIRO
Rafael; Mayke (Henrique), Leo, Manoel e Diogo Barbosa; Hudson e Ariel Cabral; Thiago Neves, Arrascaeta (Rafinha) e Rafinha (Ramón Ábila); Rafael Sobis. Técnico: Mano Menezes.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

América-MG: Pré-jogo Cruzeiro

Pré-jogo América x Cruzeiro

Objetivo: Conquistar a vaga para a final do Mineiro.

A equipe adversária é mais bem qualificada, com mais peças de reposição e maior entrosamento.

O América ainda está em processo de reconstrução. A primeira fase do Mineiro evidenciou as limitações do time americano.

Enquanto Enderson não tem 11 titulares para escalar, Mano Menezes tem praticamente dois jogadores do mesmo nível em cada posição.

Mas, porém todavia, entretanto, mata-mata é uma competição diferente. Embora seja pequena, existe até a possibilidade de um time ser dominado nos dois jogos, ainda assim, eliminar o adversário.

As falhas defensivas e ofensivas dos laterais, o baixo poder de criação e a falta de força ofensiva foram os principais defeitos apresentados no Mineiro, Primeira Liga e Copa do Brasil.

Alex Silva, Auro e Pará foram envolvidos no setor defensivo e ineficientes no apoio.

Renan Oliveira manteve os lampejos de produtividade. Tony caiu de produção e perdeu a titularidade.

Felipe Amorim, Hugo, Marion, Mike e Rubens não aumentaram a agressividade. Mike marcou gols de oportunismo, porém não teve bom desempenho durante os jogos. Marion errou a maioria dos cruzamentos.

Pelo lado positivo, a segurança defensiva do João Ricardo e o encaixe dos zagueiros Messias e Rafael Lima e dos volantes Blanco e Christian. Apesar dos erros nos cruzamentos e escanteios, Magrão foi participativo em lances decisivos.

Numa pesquisa feita nas redes sociais, alguns torcedores sugeriram escalções diferentes para ser utilizada na semifinal, evidenciando que o time é limitado, está em formação e Enderson Moreira não tem 11 titulares absolutos.

Ruy, meia-esquerda considerado por alguns torcedores talentoso quando está em forma, poderá ser uma opção.

A base do time deve ser:

João Ricardo;
?, Messias, Rafael Lima, ?;
?, Christian e Blanco;
?, ? e Magrão.

Na lateral, Alex Silva tem a vantagem da altura sobre Auro na bola aérea defensiva.
Ernandes é mais marcador do que Pará.

Juninho está com mais ritmo de jogo do que Zé Ricardo. Zé Ricardo tem mais potencial, mas só jogou uma partida em 2017, a primeira no profissional na condição de titular.

Renan Oliveira precisa se conscientizar que os lampejos de produtividade devem ser maiores e mais constantes durante os 90 minutos.

Sem as jogadas pelas laterais e cruzamentos precisos da linha de fundo, os centroavantes ainda não tiveram oportunidades para finalizar.

Matheusinho também é opção para partir com a bola dominada e tomar a decisão entre driblar, passar ou finalizar. O desempenho contra o Villa Nova foi ofuscado pelo resultado, porém alternou o posicionamento jogando pelo lado e pelo meio e recebeu a bola de frente, finalizou, marcou gol dentro da área, pelo lado fez um cruzamento preciso para Marion e pelo meio uma assistência para Marion.

João Ricardo;
Alex Silva ou Auro, Messias, Rafael Lima e Ernandes;
Juninho (Zé Ricardo); Blanco e Christian;

Hugo, Matheusinho, Pilar, Renan Oliveira e Rubens são as opções mais ofensivas para formar um trio com Magrão.

Christian ou Blanco podem formar uma dobradinha pela direita com Alex Silva ou Auro.
Magrão formar a dupla pelo lado.

Por exemplo:

Juninho, Blanco
Christian, Renan, Magrão;
Hugo

O Coelhão precisa jogar focado com alta concentração durante os 90 minutos mais acréscimos, contar com a sorte, sempre presente nos resultados favoráveis, e praticar um futebol supercompetitivo a fim de eliminar o rival nesta semifinal.

Vamos vencer Coelhô!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

América-MG: Empate com o Villa Nova

América 1 x 1 Villa Nova

O time semi-alternativo utilizado no empate com o Villa Nova foi quase um sub-23. Quatro acima dos 23 anos e sete sub-23.

Os defeitos ofensivos dos laterais continuaram. Alex Silva, Pará e até Auro, que entrou durante o jogo, foram travados antes da tentativa de cruzamentos na maioria das jogadas. Renan Oliveira recuou para tentar buscar o jogo, mas também manteve baixa a criatividade.

No primeiro tempo, Matheusinho e Mike receberam muitas bolas de costas e perderam a posse quando tentaram fazer o giro.

Nas poucas jogadas de frente, Matheusinho deu um passe para Mike (em impedimento marcado pelo bandeirinha) e uma assistência para Alex Silva dentro da área. No gol marcado, completou de primeira o passe do Magrão. Blanco acertou uma finalização de fora da área.

Na segunda etapa, Matheusinho jogou aberto pela direita, Pilar de centroavante e Magrão na ponta-esquerda. Pilar participou de tabelas com Matheusinho e Magrão. Blanco merecia ter marcado um gol em jogada individual que driblou o adversário, porém chutou em cima do goleiro. Matheusinho acertou uma finalização de fora da área. Numa jogada que partiu de frente com a bola dominada, na posição e função que deveria exercer, fez uma abertura para Marion na esquerda. Em outro lançamento da direta, Marion não amorteceu a bola quando dominou, driblou o goleiro, porém perdeu o ângulo e chutou para fora.

Destaque para a estreia do Zé Ricardo. Nem pareceu que foi o primeiro jogo no profissional na condição de titular e o primeiro jogo do ano. O segundo volante com características de armador jogou de primeiro volante, participou da saída de bola, desarmou e deu passes verticais do meio-campo para a intermediária. Deve ter sido o jogador que mais acertou passes durante a partida. Milagres depois do jogo também elogiou a atuação do Zé Ricardo.

João Ricardo: Não teve trabalho.

Alex Siva e Pará: Até tentaram, mas foram ineficientes em termos ofensivos. Nas poucas jogadas que levaram vantagens sobre os adversários, erraram os cruzamentos.

Messias: Tomou conta da posição.

Renato Justi: voluntarioso.

Zé Ricardo: Destaque do jogo, pela estreia e pela atuação.

Blanco: Batalhador. Defendeu e atacou. Errou alguns passes. Merecia ter feito os gols que teve oportunidade.

Magrão: Mais eficiente quando procura linha de fundo para fazer os cruzamentos. Deveria se fixar na função de ponta e esquerda agudo.

Renan Oliveira: Não teve nem lampejos de produtividade.

Mike: Adiantado pelo centro e de costas pouco produziu.

Matheusinho: Destaque pelo gol, assistências para Marion.

Marion: Errou os cruzamentos e perdeu o ângulo para conclusão.

Auro: Pouco acrescentou

Pilar: Participou de jogadas ofensivas.

Enderson Moreira: Aproveitou a primeira fase para fazer alguns experimentos.

No Villa Nova, presença dos ex-americanos, Lula, Otávio de volante e China.

América:
João Ricardo;
Alex Silva (Auro), Messias, Renato Justi e Pará;
Zé Ricardo;
Blanco, Renan Oliveira (Marion);
Matheusinho, Mike (Pilar) e Magrão
Técnico: Enderson Moreira

Villa Nova:
Renan Rinaldi; Gabriel Paulino, Gladstone, Lula e Bruno Ré; Otávio (Matheus Canguçu), Leandro, China e Leozinho; Arthur Faria (Pedrinho) e Felipe Augusto (Renato Kayser)
Técnico: Ito Roque

Gol: Matheusinho


sábado, 8 de abril de 2017

América-MG: Pré-jogo Villa Nova

Objetivos:

- Conquistar a vitória e confirmar a terceira colocação na primeira fase
- Melhorar a marcação dos laterais
- Aumentar a força ofensiva dos laterais através de cruzamentos precisos da linha de fundo.
- Aumentar o poder de criação e o número de finalizações certas.

A prioridade da escalação deve ser de acordo com o departamento fisiológico, apesar de que, até um jogador poupado poder sofrer lesão ou contusão nos treinamentos. Faz parte.

Jogadores com poucas oportunidades deveriam pelo menos fazer parte dos relacionados. Entre eles, Glauco, Roger, Maktom, Zé Ricardo e Pilar.

Opção de manutenção do time com mudança do trio ofensivo utilizado contra o Grêmio, Renan, Felipe Mike.

João Ricardo;
Alex Silva ou Auro, Messias, Rafael Lima, Ernandes;
Juninho, Christian, Blanco;
Matheusinho ou Renan Oliveira, Pilar ou Rubens ou Renan Oliveira, Magrão.

Opção de time alternativo:

Fernando Leal;
Alex, Rafael Lima, Roger, Ernandes;
Christian, Blanco e Zé Ricardo;
Matheusinho, Pilar e Magrão.

Vamos pra cima deles Coelhô!


quinta-feira, 6 de abril de 2017

América-MG: Derrota para o Grêmio

O Grêmio jogou em ritmo de treino e o América, talvez pelas limitações do time, ficou mais preocupado em defender do que atacar.

Os defeitos da pouca produtividade dos laterais, o baixo poder de criação e finalização foram repetidos.

Auro e Ernandes avançaram pouco, mas foram envolvidos nas jogadas de triangulações do adversário pelos lados.

O trio de frente formado pelo Renan Oliveira, Mike e Felipe Amorim foi totalmente inofensivo.

Blanco e Christian, com bastante dinamismo, foram os que mais buscaram o jogo. Defenderam e atacaram com bastante intensidade.

O América continua sem 11 titulares.

Posse de bola 57 x 43
Finalizações certas 1 x 3
Finalizações erradas 2 x 3
Cruzamentos errados 8 x 11

Blanco:
9 passes certos, 5 errados
3 desarmes certos

Christian:
14 passes certos, 4 errados
1 finalização
1 desarme
1 cruzamento

Felipe Amorim
10 passes certos, 4 errados
1 assistência finalização

Matheusinho
9 passes certos, 0 errado
1 assistência
1 drible
1 desarme
1 cruzamento errado

João Ricardo: Não foi exigido. A única finalização certa do Grêmio foi gol.

Auro e Ernandes: Limitados defensivamente e fizeram poucas ultrapassagens. Ernandes sofreu o pênalti não marcado.

Messias e Rafael Lima: Ficaram expostos nas jogadas pelas lados, mas não comprometeram.

Juninho: Mais bem posicionado, sem correr mais do que o necessário.

Blanco e Christian: Defenderam e atacaram com bastante dinamismo.

Renan Oliveira: Não chamou a responsabilidade de comandar o ritmo do time.

Felipe Amorim: Não colaborou nem na marcação nem no ataque.

Mike: Colaborou na marcação, mas foi improdutivo no ataque.

Matheusinho: Fez um cruzamento e chapelou o Fernandinho na jogada do pênalti não marcado.

Alex Silva: Errou as jogadas que tentou.

Rubens: Disputou algumas jogadas.

Enderson Moreira: Continua sem ter 11 para escalar o time titular.

GRÊMIO 1 X 0 AMÉRICA

Grêmio:
Bruno Grassi;
Leonardo Gomes (Wallace Oliveira), Bressan, Bruno Rodrigo e Bruno Cortez;
Arthur, Jaílson, Fernandinho, Everton, Gastón Fernandez (Lincoln) e Lucas Barrios (Maxi Rodriguez).
Técnico: Renato Gaúcho

América:
João Ricardo,
Auro, Messias, Rafael Lima e Ernandes;
Juninho, Christian (Alex Silva), Blanco (Rubens);
Felipe Amorim (Matheusinho), Renan Oliveira e Mike
Técnico: Enderson Moreira

quarta-feira, 5 de abril de 2017

América-MG: Pré-jogo Grêmio.

Objetivos:
- conquistar a classificação para a próxima fase da primeira liga.
- vencer um clube da série A na casa do adversário
- manter a consistência defensiva, aumentar o poder de criação e a força ofensiva.

Desfalque: Magrão

Provável time:

João Ricardo;
Auro, Messias, Rafael Lima, Ernandes;
Juninho, Blanco, Christian;
Felipe Amorim, Renan Oliveira e Mike.

As laterais continuam preocupantes. Auro e Ernandes são limitados defensivamente. Quando avançam erram a maioria dos cruzamentos. A bola aérea defensiva é vulnerável porque os laterais e volantes são baixos.

Juninho deve ser o volante mais recuado, com Blanco avançando pela direita e Christian pela esquerda.

No 4-3-3, em vez do Mike centralizado, talvez seja mais eficiente, utilizar Renan Oliveira mais avançado pelo centro, próximo da grande área para finalizar, com Felipe Amorim e Mike abertos pelos lados e infiltrando pela diagonal.

No 4-4-2, uma opção é o Renan completar o losango no meio-de-campo, com Felipe Amorim e Mike mais avançados, sem posições fixas..

Alternativas:

Alex Silva, Zé Ricardo, Tony, Matheusinho e Rubens.